Filhos e os eletrônicos

Filhos e os eletrônicos: mais equilíbrio e menos culpa

Leila Oliveira Uncategorized

Todos tem uma receita sobre a melhor forma de educar. Quando se trata da relação entre os filhos e os eletrônicos, sabemos a distância imensa entre a teoria e a prática. Sabemos que acontece na maioria dos lares.
Como produtora da área, sempre presumi saber muito sobre crianças, desenvolvimento juvenil e boa educação. Mas então aconteceu: eu me tornei mãe! Então, como a maioria dos pais da primeira vez, eu fui para a experiência com teorias ingênuas sobre quase tudo. Meu filho estaria ligado à natureza, esfolar seu joelho não seria uma crise épica, a TV não seria sua babá. Meu filhos não teriam acesso a eletrônicos.  E ainda seu tempo não seria consumido com atividades estruturadas e horários estritamente supervisionados.

Avanço rápido 5 anos no tempo – Dois pais trabalhando, malabarismo, creche, pré-escola, aulas de natação e horários de viagem. Acrescente a locomoção diária e o fato de que estamos realmente vivendo no século 21 com e-cards, e-books, e-mail. . . e tudo. E, bem, a verdade é esta: meu filho assiste TV. Ele sabe como trabalhar no iPad. Em um ponto no tempo, no inverno passado, os horários se sobrepunham, e ele estava assistindo às aulas de pré-escola, futebol, basquete e natação todos na mesma semana.

Eu estou confiante de que ele passa mais tempo fora e tem menos tempo de tela do que a média de 5 anos nos EUA. Porém, eu me via tentando justificar minha decisão quando dizia “sim” para a TV ou iPad. Mas então, eu tive um momento em que percebi que tudo ficaria bem. Talvez eu tenha conseguido encontrar o equilíbrio entre o mundo virtual em que vivemos e a conexão com o exterior que tanto desejo que meu filho tenha.

O tédio deve ser bem-vindo

Enquanto participava de um evento em sua pré-escola, me virei e vi meu filho aninhado sob os galhos de um gigantesco cedro vermelho ocidental com três outras crianças brincando. Brincando de casa, na verdade. Mas não havia boneca. As varas eram seus adereços. Eles criaram sua própria história, suas próprias regras e seu próprio mundo.

Através dos ramos arrebatadores daquele cedro, um mundo fora criado por esse grupo de crianças de 4 e 5 anos que não precisavam de adultos. Eles tocaram o dia todo nesse canto florestal da escola. Enquanto eu me sentava e observava de longe, sorri com orgulho, sabendo que aquilo era “isso”. Isso é o que nós estávamos nos empenhando. Eles estavam jogando – pura e simples. Nenhum adulto dirige ou estrutura suas atividades, nenhum eletrônico preenche os espaços para eles. De fato, nossos filhos não deveriam ter sua mentes jovens destruídas por eletrônicos.

Eu fui lembrado neste momento que “o nada” está bem. Pois, há essa pressão para estruturar a vida de nossos filhos; mantê-los na liderança da turma ou os melhores da equipe. Apesar disso, também precisa haver um equilíbrio entre o tempo não estruturado. Porque “não fazer nada” permite que as portas da criatividade e imaginação se abram na mente de uma criança. Tubos de toalhas de papel se transformam em trilhos de mármore, caixas de papelão se tornam a base de fortes e o espaço sob um cedro torna-se uma casa de família.

Filhos e eletrônicos: mais equilíbrio e menos culpa

Ser pai e mãe,  não é uma ciência perfeita e nenhum pai é perfeito. Mas como tudo na vida, devemos sempre nos esforçar para encontrar equilíbrio. Certamente, é nosso papel como pais ajudar nossos filhos a encontra-lo. Assim, meu filho pode aprender disciplina e espírito esportivo por meio de esportes coletivos. Ao passo, que também pode aprender como resolver problemas e colaborar através de jogos livres e não estruturados.

O valor do jogo livre foi de alguma forma perdido neste e-mundo, no entanto, é tão importante no desenvolvimento da criança do século XXI quanto qualquer outra coisa. O jogo livre e não estruturado permite, por exemplo: o desenvolvimento da criatividade, imaginação, visão, pensamento independente, colaboração com colegas – e muito mais. Essas são as qualidades que queremos desenvolver em nossos filhos. Então, da próxima vez que seu filho disser: “Estou entediado”, desafie-se a não ligar a TV ou a entregá-lo no iPad – sei que sim. Mande-a para fora ou dê-lhe uma caixa de papelão. . . e depois afaste-se e espere a magia começar.

Katie Johnson é a diretora executiva da ACA, Southeastern.

Fonte: https://www.acacamps.org/campers-families/parent-blog/turns-out-tv-has-not-destroyed-my-child