habilidades circenses alteram o cérebro

Habilidades circenses alteram o cérebro

Leila Oliveira Acampamento de Circo

Na minha infância em Windlesham, um pequeno vilarejo na Inglaterra, cada criança parecia ter  um diabolô . Eu percorria o corredor até chegar à minha sala de aula, entre crianças aprendendo o truque mais recente. Malabarismos se apresentavam a mim, muito mais como um incômodo e uma irritação. Ainda não sabia que habilidades circenses alteram o cérebro.

De lá pra cá, muitas experiências relacionadas ao malabarismo, passaram por minha vida. Consequentemente nasceu uma paixão a tudo que dizia respeito a habilidades circenses. Decidi que seria uma boa atividade para introduzir  crianças. E tenho conduzido a atividade “habilidades circenses” desde então.

Como professor, posteriomente, fiquei responsável pelo show de final de ano da escola. Estava tendo problemas para decidir como iria manter os alunos focados. Foi então, que  me deparei com um roteiro chamado “Menino do Circo “. Em seguida, comecei a ensinar todos eles a aprender uma forma de malabarismo para se apresentar no palco.

Foi durante as três semanas que tivemos para os ensaios que uma lenta transformação começou a acontecer. Ou seja, notei uma mudança e alguns dos meus alunos mais desafiadores. Certamente comecei a me perguntar se isso poderia ter a ver com as novas habilidades que eles estavam aprendendo. De fato, eles ficaram mais calmos e mais focados na aula. Algo mágico estava acontecendo.

Pouco tempo depois disso, comecei a ver artigos na imprensa sobre grupos de jovens infratores. Aparentemente eles estavam melhorando seu comportamento, depois de terem aprendido habilidades circences. E ainda, outros artigos sobre a importância de fazer com que os dois hemisférios do cérebro trabalhem juntos, pois isso nos ajudaria a superar problemas como dislexia e dispraxia. Afinal, enquanto você faz malabarismo, suas mãos estão cruzando a linha média e, similarmente , o que ajuda os dois hemisférios do cérebro a se unirem.

Estudo comprova que habilidades circenses alteram o cérebro

Em 2009, um estudo realizado pelo Dr. Johansen -Burg, da Universidade de Oxford, provou que a matéria branca do cérebro foi alterada e que havia maior conectividade no cérebro das pessoas que faziam malabarismo. Ele fez 12 pessoas aprenderem a fazer malabarismos por 30 minutos por dia, durante um período de seis semanas. Havia  outro grupo de 12 indivíduos que não o fizeram. Ele examinou todos os seus cérebros no início do julgamento e novamente no final e notou as mudanças. O cérebro do malabarista mudou, enquanto o grupo de controle não o fez, o que levou a concluir que habilidades circenses alteram o cérebro, beneficiando-o.

Os benefícios encontrados foram os seguintes: aumento da conectividade e através desse, o  aprimoramento do  foco e da coordenação olho-mão. Aprimoramento da imaginação espacial, tornando-nos mais inteligentes.

A concentração necessária para aprender essa nova habilidade também ajuda a aliviar o estresse. Isso coloca você em um estado de meditação à medida que “entra no transe” e, portanto, esquece tensões cotidianas da vida.

Até então, pensava-se que as únicas mudanças a ocorrer no cérebro adulto eram: uma das morfologias causadas pelo envelhecimento. Ou ainda: condições patológicas. No entanto, agora sabemos que ao aprender uma nova habilidade, podemos realmente aumentar a quantidade de matéria cinzenta e que habilidades circenses alteram o cérebro positivamente.  Eles provaram que quanto mais jovem a pessoa, maior será o aumento da massa cinzenta. No entanto, não desanime se você tiver mais de 21 anos, pois isso ainda terá um efeito positivo.

Desafie-se a aprender essa nova habilidade e você logo começará a colher os benefícios à medida que “crescer o cérebro”, aguçar sua mente e tonificar seu corpo ao  final de um dia agitado.

Fonte: https://www.windlesham.com/lyceum/circus-skills-and-the-benefits-to-the-brain/