meu filho pratica bullying

Meu filho pratica bullying, e agora?

Leila Oliveira Uncategorized

Nenhum pai quer perceber que seu filho pratica bullying. Na jornada de crescer, tanto as crianças como os adultos, passarão por muitos excessos.  É importante que os pais levem o bullying a sério. Quantas vezes ouvimos adultos dizerem que “o bullying faz parte da infância”? Muitas vezes, o bullying é confundido com provocações ou alfinetadas, porém, são  coisas muito diferentes.

Meu filho pratica bullying: dicas de como agir

O bullying, claro, não é novidade. Mas alguns aspectos do bullying mudaram ao longo dos anos. Especificamente, ele não ocorre mais, apenas nas dependências da escola, mas também online. O bullying é uma forma de comportamento agressivo em que alguém, intencional e repetidamente, causa dano ou desconforto a outra pessoa. Sendo assim,  pode assumir a forma de contato físico, agressões verbais ou ações mais sutis que podem ocorrer on-line.

Estudos indicam que, embora ambos os gêneros se envolvam em todas as formas de bullying, os meninos são mais propensos a intimidar usando agressão física e insultos, enquanto as meninas são mais propensas a  intimidar com manipulação, exclusão social ou com disseminação de rumores.

O bullying tem consequências prejudiciais e, por vezes, a longo prazo para a saúde mental de todos os envolvidos. E de fato, não deve mais ser subestimado como um rito de passagem. Se o seu filho ou filha é quem está causando sofrimento a um colega, é importante responder rapidamente. Essas dicas vão ajudá-lo a intervir se o seu filho pratica bullying:

Seja observador

É importante reconhecer quaisquer sinais de sofrimento:

  • A relutância em frequentar a escola
  • Mudanças bruscas de humor, comportamento, ou aparência.
  • Impulsividade
  • Extrema necessidade de controlar seu ambiente
  • Falta de empatia

Tudo isso podem  ser possíveis indícios de bullying. Investigue mais, procurando sinais de que seu filho está sendo intimidado ou que seu filho pratica bullying. Intimidação relacional, é a forma menos perceptível de bullying, mas pode ser muito dolorosa. Os jovens valorizam muito as amizades, sendo assim, a rejeição de seus colegas pode deixá-los tímidos e com baixo auto-estima. É importante ter em mente que as crianças que intimidam não são necessariamente “crianças más”. Ou seja, o  que elas fazem agora não é necessariamente um reflexo de quem são ou que tipo de pessoa se tornarão. E, como pais, não importa o quanto observemos, sentimos falta das coisas. Se você está lutando para reconhecer sinais de sofrimento ou saber como lidar com os comportamentos que você observa, então, considere entrar em contato com um conselheiro que tenha experiência com comportamentos infantis.

Inicie o diálogo

Se você suspeitar que seu filho pratica bullying, inicie uma conversa. Comece perguntando se seu filho já sofreu intimidação ou testemunhou isso acontecendo com outra pessoa. Use essa oportunidade para compartilhar as diferentes formas de bullying e cyberbullying, pois é possível que seu filho não esteja ciente de que seus comportamentos se qualificam como bullying.

Se você sabe que eles são intimidados, seja direto, mas também comunique cuidado e preocupação. Diga algo como: “Recebi uma ligação do seu diretor e gostaria de falar com você sobre nossa conversa”. Ou simplesmente: “Estou preocupado. Podemos conversar?”. Não importa o quão incomodado você possa se sentir, comunique-lhe  a necessidade de ouvir o lado do seu filho. Procure entender as possíveis causas do seu comportamento. Isso impedirá que eles se isolem completamente. Ou seja, o objetivo da conexão é estabelecer uma estrutura de confiança na qual seu filho se abrirá e acabará descobrindo novos insights sobre o pensamento e o comportamento. Saiba que não é incomum que as crianças, especialmente as crianças mais novas, tenham dificuldade em articular o motivo pelo qual estão agindo, mas ainda assim, uma conversa ajuda.

Faça algum auto-exame

As interações que as crianças experimentam em casa, podem se tornar padrões de como elas interagem com outras pessoas fora de casa. Da mesma forma, crianças que observam xingamentos, insultos, piadas grosseiras sobre raça ou gênero, ou ainda, manipulação de amigos ou familiares, podem apresentar comportamentos semelhantes na escola.

Nenhum pai é perfeito. As famílias lidam com estresse excessivo e desafios significativos na vida que, às vezes, estão fora de seu controle. Busque seu próprio apoio, se necessário. Tente reconhecer quaisquer sentimentos negativos e, ao mesmo tempo, esteja ciente de como seu filho pode estar interpretando suas ações. Por exemplo, um pai frustrado que decide abordar uma preocupação importante com um professor ou um treinador deve monitorar qualquer sentimento de raiva e, antes de reagir, perguntar a si mesmo: “Que mensagem eu vou comunicar ao meu filho com minha reação?” É possível que as crianças estão testemunhando (e imitando) interações negativas sem que os pais percebam isso. Nunca é tarde demais para mudar de rumo! O foco dos pais deve ser cultivar um ambiente familiar que priorize a bondade e o respeito.

Ensine empatia

Embora qualquer criança possa sofrer bullying, as pessoas que são consideradas “diferentes” ou consideradas de baixo status, como crianças com etnia, religião ou situação socioeconômica diferentes, são frequentemente vistas como alvos fáceis. Apenas ser novo na escola pode provocar comportamento de bullying. Interações humanas saudáveis ​​exigem empatia. Pois,  para sentir uma conexão com alguém, devemos primeiro nos preocupar em como nosso comportamento os afeta. Assim também,  algumas crianças que intimidam passam por momentos difíceis com empatia. Porém, a boa notícia é uma habilidade que pode ser ensinada.

Sobretudo, uma maneira de ensinar empatia é observar seu filho em diferentes cenários. Após determinar a causa raiz dos comportamentos de bullying, adapte sua resposta à essa área específica. Ou seja, analise vários cenários em que o seu filho pode perder a paciência ou agir de outras formas e ajude-o a  explorar formas mais adequadas de responder. Por exemplo, se seu filho sentir ciúme porque acredita que outro filho está “caçando amigos” e começar a excluir socialmente o colega de classe, responda afirmando: “Você consegue se lembrar de uma ocasião em que ficou de fora? Como aquilo fez você se sentir?”

Se seu filho pratica bullying, a  atenção plena é uma ótima prática para aumentar a conscientização e regular as emoções. Um exemplo de mindfulness seria o seguinte: quando seu filho sentir a frustração aumentando, incentive-o a notar a emoção e, em seguida, pergunte-se silenciosamente o seguinte: “O que estou sentindo agora?” E “Como seria se eu escolhesse observar em vez de apenas reagir? ”Ter várias soluções para situações diferentes que desencadearam uma resposta negativa de seu filho e oferecer exemplos claros de como elas trazem consequências diferentes no futuro.

Seja pró-ativo

Se seu filho pratica bullying, existem muitos níveis de intervir, até mesmo, entrando em contato com os funcionários da escola para obter orientação. A maioria das escolas verá nisso, uma oportunidade para abordar o problema e garantir que  lá, continue sendo um lugar seguro para todos.

Além disso, a prevenção é o melhor remédio. Padrões de comportamento começam cedo e muitas vezes em casa. A partir do momento em que seu filho for capaz de manter uma conversa significativa, mantenha um diálogo aberto sobre o dia. Ou seja, mantenha-se envolvido na vida do seu filho – sim, mesmo durante os anos difíceis da adolescência. Saiba mais sobre os amigos e atividades de seus filhos. As crianças que sentem uma conexão geral com seus pais são menos propensas a se envolver em bullying. Finalmente, se você acredita que seu filho está sofrendo ou prejudicando outra pessoa, se seu filho pratica bullying, procure o apoio de um conselheiro profissional.

Fonte: https://theparentcue.org/help-my-child-is-the-bully-what-should-i-do/