Circo como arte

O reconhecimento do Circo como arte

Leila Oliveira Uncategorized

O circo, que foi inventado na Inglaterra em 1768 e se espalhou para quase todos os países do mundo, é uma das formas mais populares de entretenimento – verdadeiramente uma “forma de arte popular”.

Ao contrário de outras formas de arte, o circo clássico existe na maioria dos países sem subsídio público. Está lá, como sempre foi. Isso porque agrada a sua audiência e responde aos seus gostos em mudança, perenemente renovando-se e renovando-se.

Os circos podem ser enormes e magníficos, com um grande número de artistas; ou podem ser muito simples, executados por um casal de pessoas com habilidades múltiplas. Dessa forma: grandes ou pequenos, eles ainda são circos! Essa flexibilidade de escala ajudou muitos proprietários de circo a iniciar seus negócios. Em outras palavras, algumas poucas pessoas podem, a princípio, começar seu próprio espetáculo. Em seguida adicionar um pouco de cada vez, muitas vezes à medida que a família dos fundadores se expande e as crianças se tornam artistas.

Essa “maleabilidade” da organização é também um dos fatores que levam o circo a todos os cantos do mundo. De fato,  um circo de tenda pode ser instalado em praticamente qualquer lugar. Por esse motivo,  comunidades que não têm outro entretenimento podem experimentar a emoção de um show ao vivo no círculo mágico do circo.

Mesmo nas grandes cidades, o circo é para muitas pessoas sua única experiência de performance ao vivo. Nem todo mundo se sentiria à vontade para ir a um teatro, porém, a atmosfera informal do circo atrai platéias de todas as origens. Por isso, o circo transcende culturas. Não há barreiras de idioma, pois é principalmente ação física. O show é adequado para todas as idades, sexos, crenças e todas as esferas da vida.

Circo: Genuína forma de arte e expressão cultural

Por sua natureza, o circo alcança o que outras formas de arte lutam para fazer:  atrai ‘novas audiências’. Além disso,  os ingressos também são acessíveis, tornando a viagem ao circo um atividade cultural.

A importância das artes circenses é reconhecida por muitos órgãos governamentais.

  • O Arts Council England apóia todas as formas e financia o trabalho de circo contemporâneo.
  • Na França e na Itália, os circos são ativamente reconhecidos pelos Ministérios Culturais desses países, e existem Cartas sob as quais os circos clássicos devem, por lei, ter acesso a locais em todas as cidades.
  • Escolas de circo patrocinadas pelo Estado treinam novos artistas.
  • Na Hungria, o Circo do Estado recebe status artístico oficial superior a todas as outras formas de arte, exceto o balé.

O circo foi nacionalizado na Rússia em 1919 após a Revolução. Posteriormente, a nova União Soviética reconheceu que, ao contrário de outras artes, o circo não tinha associações burguesas. Isso era ideal para a ideologia igualitária do país, daí a organização no oeste como o Circo do Estado de Moscou. O Colégio Estadual de Circo e Artes da Variedade foi fundado em 1929.

Por fim, Iniciado pela European Circus Association, o Parlamento Europeu adotou uma resolução em 2005, afirmando que “seria desejável que se reconhecesse que o circo clássico, incluindo a apresentação de animais, faz parte da cultura da Europa”.

O circo é um ícone cultural, próximo ao coração das pessoas.

Fonte: https://www.centreforcircusculture.eu/circus-stories/2017/2/20/the-circus-is-a-cultural-icon-close-to-peoples-hearts